Verão está chegando e a Pesca de praia também..


É o verão está chegando e a pesca de praia é uma das alternativas para os aficionados pela pesca esportiva. Juntamente com a família, os amigos e mesmo sozinho podemos desfrutar e compartilhar de momentos deslumbrantes junto à Natureza. Estar à beira-mar fitando o horizonte distante, as formações de nuvens, sentindo o contato direto de nossos pés com a areia e a água, possibilitam descarregar muitas energias negativas e recarregarmos nosso corpo e espírito com a energia positiva necessária para enfrentarmos o cotidiano.

Nesses momentos devemos levar em conta que a quantidade de peixes capturados como também o tamanho dos mesmos não é a essência primordial, sendo na verdade apenas um dos elementos.

Hoje os peixes raramente alcançam proporções como aquelas da década de 60 ou procuram locais ainda intactos para manterem sua sobrevivência e a da própria espécie. Nestas circunstâncias, os grandes anzóis e linhas grossas, já não são mais necessários. Primeiro, porque aprendemos com o tempo que a técnica pode sobrepujar o maior dos peixes e segundo, porque hoje os mesmos, infelizmente para nós pescadores esportivos, dificilmente atingem proporções avantajadas.

O camarão vivo ou morto, será a isca mais facilmente encontrada em toda a orla marítima. Mas se você tiver um pouco de paciência e técnica poderá usar tatuís, cernambis, corruptos, pedaços de peixe, etc.


Camarão

Outra preocupação é com o acondicionamento da isca para sua pescaria. Um fato de vital importância é o paladar e o olfato dos peixes. Estes sentidos nos peixes são bastante aguçados e, portanto, manter as mãos limpas e livres do cheiro de óleos, bronzeadores, bloqueadores solares, repelentes, água clorada, nicotina de cigarro, etc, pode fazer a diferença entre pegar e não pegar peixe. Se usar isca viva, um bom areador poderá manter as mesmas por mais tempo, mas não se esqueça de renovar a água de vez em quando. É interessante também tirar algumas informações com os caiçaras da região sobre as iscas mais produtivas para o local, quais as espécies da época e melhores horários. Neste caso a tábua das marés é bastante útil, nos ajudando a definir os melhores períodos. Mas, em geral, duas horas antes e duas horas depois da preamar e baixa-mar são as ideais.

Devemos levar em consideração que os peixes não ocorrem em qualquer local onde exista água. Ao contrário, dependendo do tipo de alimento necessário à sua sobrevivência, os peixes procuram pontos específicos. Tais pontos devem ser analisados pelo pescador para saber onde capturar suas presas. Com a preamar (maré cheia), a não ser que tenhamos um conhecimento prévio do local, dificilmente saberemos “ler as águas”, como se diz. O mais correto é você passear ao longo da praia com maré baixa para conhecer o local e poder tirar melhor proveito da pescaria. Os locais mais produtivos são os alagamares, desembocaduras de rios, canais de praia, praias com pedras e praias de tombo, entre outros.

De muita utilidade para o pescador de beira de praia é a mesa de pesca. Hoje diversos fabricantes a produzem, existe inclusive uma que é feita de alumínio e possui uma mesinha com uma caixinha para guardar as tralhas necessárias, fechada com velcro, em fórmica, além de uma caixa de alumínio, na qual está embutida uma pequena caixa de isopor para armazenagem de isca.

Algumas tralhas não podem ser esquecidas: leve consigo uma tesoura para cortar iscas quando necessário; uma faca também é útil; um saca-anzol muitas vezes nos ajuda a retirar o anzol que um peixe mais guloso engoliu; e, para aqueles que desejam manter a isca mais firme no anzol, evitando que o impacto causado pelo arremesso faça a isca escapar, a utilização do Elastricot ou linha de viscose soluciona o problema.

Boa pescaria ...